nome blog
Mostrando postagens com marcador sobre afeto. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sobre afeto. Mostrar todas as postagens

Resposta negativa

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Eu que dispus aos teus desejos, renunciei ao primeiro:
"- Leve-me ao fim do mundo!"
Seria um desbarato, pular ao fim vida e ter que te amar depressa.

Tu, caça

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Desejaria não escrever mais sobre o amor,
só de amor não se vive a vida.

Também existe vida fora do amor.

Sem amor, não!

Enquanto o brado, bravamente
há outras lutas, a todo vapor.

Teoricamente,
amar é minha luta. 

Incerta.

Praticante, só um louco cativo
que bate em mim e diz que é por amor.

Na guerrilha pela posse desse coração
não existe o dia do caçador...

Planos para outro Plano

quinta-feira, 21 de setembro de 2017


- - - -

Se existiu vida anterior,
nossas almas se desejaram
ardentemente.

Em oposição ao padrão de afeto da contemporaneidade,
os iguais se atraíam.

Viemos do mesmo lugar,
vamos para o mesmo lugar.

Aqui, ocasionalmente
a materialidade do espaço promove distancia entre nós
mas, permanecemos um só.

E sobrevindo a velhice,
com o mesmo encanto,
olharei à minha direita e glorioso estará você.
Estaremos nós.

Nós juntos,
sobrexcedemos o comum.

Olhe para mim (Olhe para nós)

domingo, 17 de setembro de 2017


No solo frio e rígido - como muitos corações -, me derramo em Tua presença, aos Teus santos pés, sem merecimento algum... E rogo clemência.

Pai, em Teu nome, muitos Judas agem sem nenhum respeito. Ilegitimamente. Interpretações intencionalmente asquerosas. 

Poderia dizer que o tempo está preto, mas o preto, o qual foi escolhido a dedo em Tua paleta, jamais deveria ser sinônimo de assustador. Aqui, tem muito disso, preconceito e ódio - inclusive, alguns justificam em Teu nome. Sinto muito.

Também há pecado em mim. Ah! E como. Me perdoe por cada pensamento ou expressão que não Te faz sentir orgulho em ser meu Pai. E ultimamente, tenho estado um pouco distante. Que ingratidão!  
Me ajude a abster de tudo que nos distancia. Sou uma criança plenamente dependente - tão dependente -, que não ficaria em pé se soltasse minhas mãos.

Me ajude (nos ajude), a honrar Tua imagem e semelhança. Me ajude (nos ajude) a concluir. Nada sou (Nada somos). Me perdoe (Nos perdoe). Olhe para mim (Olhe para nós).
Pelos que Te decifra erroneamente, sinto muito.

Meu coração é integralmente ocupado por gratidão, pela compaixão incessante que me doa. São tuas, toda a fidelidade e recirpocidade que em mim existe.

Santíssimo! Três vezes Santo! Gratidão, gratidão, gratidão, por me acolher...

(Me atrevo a pedir permissão para proferir esta oração em Teus ouvidos.)

Eu, vitimismo: Capítulo VI - Qual é a cor da solidão?

segunda-feira, 4 de setembro de 2017


Às vezes parece que sou exagerada, que faço tempestade com um copinho d'água. Quem dera ter esse privilégio.

Me protejo com todos os escudos que me são possíveis, principalmente dos males que tentam brotar aqui dentro. E conseguem.
Cada gesto seu, é analisado. Até as coisas quase inalcançáveis aos sentidos, faço questão de sentir. Nada que me faça é irrelevante.

As pessoas sentem necessidade de questionar, quando é que vou ter um parceiro, e elas não fazem por maldade, é cultural. Essa pergunta, um dia se responderá. Tudo no meu melhor tempo.

Me abster do que não me transborda é Lei, para viver bem. Quando sinto que sou útil só quando convém, fujo para a outra ponta. E isso acontece quase sempre. Minha sensibilidade é do tamanho do mundo.
Não sou covarde por fugir, sou guerreira por me proteger sozinha. Preciso ser. Haja pernas para correr quase todos os dias.

Queria poder temer o escuro, contar com outra coragem. Sou eu por mim. Ninguém mais me abriga melhor que eu.

Se não pretende acrescentar, não ouse cativar. Expectativas quando depositadas em lugar errado, são tóxicas (mas agora já sei que o problema não sou eu). Cansei de perdoar! O transtorno consequente, é só meu.

Esse breve texto é lírico. É o relato da vida de outras milhares de mulheres pretas. Peterimento violento. Não sinto vergonha em dizer, menos ainda, desejo que tu sinta compaixão. Escrevo isso, para dizer que não somos vitimistas: a solidão da mulher preta é real, é cultural. Infelizmente. Existe ainda, as que a sofrem mesmo estando num relacionamento. É surreal. Mulher preta não é para casar, segundo o ideal social (basta dar uma gogleada), não tem problema vacilar com ela, é só um rascunho. E sangrando sem corte, questiono: quanto valem os nossos corações? (Gostaria de ter produzido um texto a altura de quem acompanha o blog, mas no momento não é possível. Existem artigos incríveis e completos pela internet, não deixe de pesquisar)

Não sei ser feliz sozinha...

terça-feira, 22 de agosto de 2017

(ilustrativa ao texto - via)
Considerar, o tempo todo, que não merece se relacionar amorosamente (amizade e/ou namoro) com uma pessoa incrível, não é bom. Obviamente, considero melhores que eu as pessoas que estão comigo, é natural, mas não anulo a ciência que tenho de que sou boa o suficiente para merecê-las.

Se permites que o outro decida sempre, que faça as escolhas das coisas que só dependem de tua decisão; se pensa que as oportunidades são além do que merece (e que não sustentará só); se solicita aprovação para tudo por medo de não aceitação posterior... Esta pode ser considerada dependência emocional - ainda que subconsciente -, onde existe o dependente e o provedor - da informação/aprovação e emoção necessária.

Não conseguir ser feliz 'sem incentivo alheio', também não é bom, pois quando houver (se houver) uma interrupção dessa relação, começarão os questionamentos perturbadores e passarás a acreditar que não sabe como continuar a viver, só.

Fazer tudo por alguém, deixa de ser saudável quando o outro passa a se sentir um fracassado quando está sozinho. Por outro lado, ter ciência e ainda assim permitir/incentivar que o outro transfira a direção da vida ou seja 'manipulado' - por você -, é abusivo.

Caso se sinta dependente emocional, não é vergonhoso reconhecer e buscar apoio para identificar como essa dependência se alimenta e consequentemente trabalhar em promover tua autovalorização e recuperar teu espaço - ainda que para isto seja necessária a interrupção da relação.

É importantíssimo, não confundir e pensar que deve ser independente, imune - emocionalmente - o tempo todo. 
O essencial, é que saiba que se tu está com alguém incrível, é puramente porque este te acha incrível demais. O amor é muito puro para ser intolerante, e o que você sente, diz ou pensa é igualmente importante.


Período fértil

terça-feira, 15 de agosto de 2017

(via: reprodução pinterest)
- - - - -

areia do deserto são teus lábios
quentes
macios
movediços
e como quem não deseja salvação,
onde mais desejaria me afundar?

o quase silêncio 
é vencido por cada badalada do pêndulo que exerce liberdade em teu peito, 
um louco equilibrado 
que transborda sabedoria, até quando nada diz.
onde mais desejaria me repousar?

nossas almas se externizam,
o silêncio fala por nós:
onde mais se pode ouvir com clareza a frequência que revela o timbre do amor?

a rotina não mais incomoda,
o que antes parecia provocar efeito anestésico,
estremece em turbulência.

do marco zero a aurora
somos mais alma que gente
é quando tudo acontece:
o período fértil do amor.