agora também tô no medium!

Mostrando postagens com marcador cavalo de tróia?. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cavalo de tróia?. Mostrar todas as postagens

"Estou escrevendo essa carta, meio aos prantos..."

quarta-feira, 25 de abril de 2018 2 comentários

Música "A carta", composição: Claudio Matta / Alvaro Socci

Acima, apresento a mais tolerável das gravações (se está lendo no celular, avance para o minuto 3:16, mas as duas primeiras músicas valem seu tempo), porém não menos virulenta. Digo que na voz de outros, por exemplo, Eduardo Costa, é mais irritante, mas acredito que essa é minha posição enquanto individuo. Tratando-se do sujeito, em todas as vozes é igualmente problemática.

O intento não é vigiar e punir o sertanejo - aqui não se marginaliza mais, gênero algum.

Recentemente concluí as duas temporadas de "Doctor Foster", pertencente à BBC, disponível na Netflix.
Em busca de resenhas, ao que parece, todos que a assistiram, aplaudem Bartlett pelo drama. Mike Bartlett, o criador, se diverte fazendo de Gemma (Suranne Jones), uma mulher com um estado psicológico perturbado e programado à destruição das faces do marido Simon, após desconfiar de uma possível traição.

Gemma e Simon, ao fundo / via: Cine Pop 

Nos fatos seguintes, Gemma se dedica inteiramente ao processo investigativo, ficando ineficiente no trabalho e reduzindo a quase nada de sua atenção dedicada ao filho Tom, 12 anos.

Contudo, Gemma se propõe perdoar Simon se ele for leal e revelar a infidelidade.

É notável a justificativa universal: "Devemos ficar juntos, pelos nossos filhos". Mas, a atribuição da responsabilidade majoritária numa família com filhotes, é para o sujeito materno. O número de mães sem cônjuges têm crescido e esse é o fato qual comprova que a natalidade não fortalece as relações - entre os pais. Quem assim faz, neste intento, é procriador egoísta.

Gemma ainda ouve de Tom que, se o papai buscou uma relação extraconjugal, é por não ter recebido a atenção necessária da mamãe.

Infelizmente, existem inúmeras Gemma's.
Não é natural perdoar sem implodir as consequências. Se fossemos analisar este tal perdão, talvez descobríssemos que de fato, não é perdão. O perdão está banalizado.

Sucessivamente, Simon atribui a culpa à Gemma pela não regeneração da família: "Podemos esquecer tudo e vivermos como nada houvesse nos fragmentado!"

Bartlett, cria uma personagem à beira da loucura: porque essa é a visão masculina calculada sobre a traída, como quem diz que as mulheres não são estáveis o suficiente para sobreviver ao indesejável.

Quando numa relação afetiva, dois indivíduos consentem em absolutamente tudo, um dos dois está com dificuldade de 'ser individuo'. É necessário buscar ajuda.

"E por isso decidi
Que eu vou ficar com ela
(...)
Ao enxugar minhas lágrimas com beijos
Revelou que já sabia
Mas iria perdoar"

Temo a bondade de muitas mulheres. Estão se alimentando de sobras. Sobras estrategistas e hegemônicas, em nome do amor.

Violência moral e psicológica é agressão.

"Se você manter silêncio sobre as suas dores, eles vão te matar e dizer que você gostou."
(Zora Neale Hurston)
_
Leia:
🚩 "Perdão é reconquista"
🚩"A lealdade é um dos sentimentos mais puros"

O que é bom é para si e o que sobra é do outro

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017 Nenhum comentário

(via)

Dias atrás meu irmão se "desfez" de algumas peças de roupas, entre elas: bermudas, casaco e camisetas. Decidi então, que melhor que doar ao lixo, seria doar a alguém que necessita. Tirei algumas fotos afim de anunciar em alguns grupos de minha cidade.

Faço isso sempre, com algumas coisas que já não uso mais. Posterguei a postagem e ontem à noite, vi a sacolinha ao chão no canto do meu quarto e fiz uma análise expressa: eu iria gostar de receber essas roupas? E mentalmente recusei as roupas que hipoteticamente estava doando à mim mesma.

Diante a isto: uma mãe iria querer usar aquelas roupas no filho? Provavelmente não. E mesmo que a resposta fosse sim, seria pelo motivo de que ela preferia as peças gastas à deixar o filho a mercê das intempéries, o que não é bom.

Das vezes anteriores que doei minhas roupas e sapatos, realmente estavam bons. Na maioria das vezes, faço isso porque tenho o costume esquisito (mania) de comprar algo, suar para pagar e pós um prazo não tão longo, perder a atração pelo produto (isto me acontece desde quando eu não trabalhava, e lembro que minha mãe dizia que eu só daria valor quando eu sentisse na pele como é difícil conseguir algo, para que depois seja descartado tão facilmente - infelizmente não mudou e precisa ser tratado).

Igualmente, lembrei que no Natal de 2016 recebemos uma cesta (destas natalinas), de uma conhecida de tempos. A caixa por sinal estava já aberta e com alguns produtos removidos: o panettone de frutinhas (com toda aquela maciez e suavidade, do deuses, só pode! 💛), que é o que mais adoro (depois da goiabada, claro) já não estava mais lá. Meu cunhado fez um comentário de que, provavelmente a mulher havia recolhido os produtos que lhe agradavam e seriam úteis, e doado os que não lhe serviria.

O comentário dele me fez pensar sobre o que eu tinha doado para os outros e até o momento, felizmente eu tinha doado bons produtos, mas cogitei doar aquelas peças do inicio do texto que já não estão tão boas.

"O que é bom é pra si e o que sobra é do outro", representa claramente este assunto e é uma frase que apropriei da letra A vida é desafio - Racionais (som boníssimo e presente).

Sobre as roupas, não as doarei, ainda são úteis para algumas coisas: coisas handmades, reciclagem... E se isto te acontecer também, não esqueça de descartar o material no local correto.

Se não serve mais a ti, não serve também à outrem. E isto se aplica a diversos outros assuntos. Não espere o produto entrar em decomposição, doe aquela peça que ainda está em estado digno. Não escolha o melhor para si, doe o que você também sentiria prazer em comer! E não faça como eu: esperar acontecer com a gente para então pensar sobre...

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018