Mostrando postagens com marcador arquitetura sociológica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador arquitetura sociológica. Mostrar todas as postagens

Se minha casa falasse Ed.1 - Como montar/reformar um banheiro muito pequeno?

domingo, 6 de maio de 2018 2 comentários

Num tempo distante, aqui ousei inventar uma 'série' de assessoria arquitetônica, tais podem ser encontradas nos links seguintes: ideias para sala de estar de Ju e Léo e home office compacto e algumas idéias para montar o seu.
Funcionou por tempo determinado, embora não fosse o intento.
Decerto, morrerei dizendo que arquitetura não é exclusividade. Até 2015, a porcentagem populacional que nunca contratou qualquer atividade de arquitetura, era de 93%.
Mas, gloriosamente, confio na indispensável função: a social, que está sendo banalizada e usurpada pelo capitalismo selvagem.

Volto com o intento de produzir conteúdos a nível de assessoria (propostas aleatórias) e não de execução. Se houver alguma dúvida, sinta-se em liberdade para me escrever - urbanocubo@gmail.com.

No primeiro momento, apresento um banheiro aleatório com dimensões quase minimas, gostosinho e com propostas práticas.

Conhecendo a planta



O modelo que escolhi possui quase as dimensões minimas necessárias, totalizando 3,75 m² de área. O box conta com 1,50 m x 0,90 m (1,35 m²), sendo o restante para o lavabo e sanitário.


O único elemento não universal dentro do box, é o nicho de apoio na parede. É simples e pode ser feito em qualquer parede, exceto se houver instalações elétrica ou hidráulica e se for estrutural.
Às casas já prontas, pode ser feito um recorte na parede com uma serra de mármore/cerâmica ou ainda, com a serra copo, porém a segunda opção não deixará o recorte com acabamento liso, sendo necessário a aplicação de moldura de mármore, pvc, etc.
Se o banheiro já estiver pronto, é importante lembrar que a profundidade do nicho não deve ultrapassar 0,10 m - com o acabamento, ficará com aproximadamente 0,08 m, dependendo do material -, caso contrário a parede poderá perder resistência.
Se preferir, pode ser feito com a mesma largura da janela.


clique e vá para a loja :)
Clique nessa imagem para acessar a loja

A prateleira sobre a bacia sanitária é a que está acima descrita. No projeto, uma das prateleiras internas não foi montada para caber objetos mais altos, como hidratantes, shampoos, etc.


 clique e aprenda fazer :)
Clique nessa imagem para acessar o "como fazer"


O espelho proporciona amplitude, sensação de maior horizontalidade em ambiente pequeno.


Considerando a circulação justa e a necessidade da abertura da porta (conferir na planta), sugiro que o nicho/armário não possua portas e/ou gavetas.



Como fazer parede de cimento queimado:


A proposta apresentada não é para que você faça réplica, tampouco só existe essa solução para banheiros pequenos. A intenção é que saiba que é possível que esse comodo indispensável pode oferecer aconchego/vontade de permanecer e funcionalidade.

Me conte sua perspectiva!?
Veremos mais um episódio desse, na próxima quinzena 😊

_
Notinhas:
1. Declaro que não farei nenhum serviço que isente a busca pelo profissional de arquitetura. Para reforma e/ou construção, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo exige Registro de Responsabilidade Técnica junto ao conselho, tornando a atividade legal;
2. Esse ante-projeto (estudo) foi todo elaborado por mim, com suporte dos softwares SketchUp e V-ray;
3. As imagens não estão com a melhor qualidade e realistas. Ainda estou me familiarizando com o querido renderizador;
4. Loja e blog/site indicados não possuem nenhuma parceria com o Cubo.

Arquitetura inclusiva?

quinta-feira, 13 de julho de 2017 Nenhum comentário
(fotografia ilustrativa ao texto / archdaily, acesso em 13/07/2017 às 20:20)

Antes de escrever este texto, pesquisei alguns escritos sobre arquitetura inclusiva. Curiosidade esta, provocada a partir de uma publicação nas redes, deste projeto da foto acima.

Trata-se de um edifício de uso misto (comercial ou residencial) inclusivo com apartamentos flexíveis destinados à estudantes, jovens casais, solteiros ou pessoas idosas...
Em algumas analises breves e superficiais, nota-se que o projeto não é inclusivo em sua plenitude. Considerando que o mesmo possui somente escada (pessoas idosas?), calçada lateral inclinada no sentido transversal (acessibilidade?)... Mas deve-se considerar outros valores que foram priorizados, tais como: consumo racional dos recursos naturais, fortificação das relações sociais comunitárias, inclusão social da classe trabalhadora...

"[...] arquitetura inclusiva é a arquitetura que respeita a diversidade humana e gera acessibilidade para todos." (definição genérica da internet)

A inclusão, na arquitetura sociológica não deve ser generalizada, trata-se de diversas oportunidades que podem ser (estão sendo) proporcionadas: promover a independência aos portadores de necessidades especias; promover acesso ao espaço social; mobilidade urbana; direito à moradia (flexibilidade, economicamente includente, humanização...); direito à cidade (ser parte dela); direito e acesso aos equipamentos públicos sem restrições...
O contexto e infraestrutura urbana onde a arquitetura será aplicada, é de essencial importância para o funcionamento da proposta, de modo a zelar pela qualidade de vida e bem-estar da pessoa humana.

A relação homem-espaço não tem priorizado o humanismo. Ao contrario do que muitos a consideram, a arquitetura não é só mais produto para embelezar a vitrine do capitalismo.

Arquitetura é sensibilidade, humanismo, abrigo, história, proteção, afeto, bem-estar, flexibilidade, poesia, arte-técnica[..] Arquitetura não é casa-dormitório, produção em massa (cópia e cola), tampouco exclusividade da classe dominante. Arquitetura é funcional, direito à moradia digna é respeito à vida.

✅Leia também: A cidade como produto na vitrine do capitalismo
 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018