Mostrando postagens com marcador (f)utilidade pública. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador (f)utilidade pública. Mostrar todas as postagens

estica que dá!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018 Nenhum comentário

trenas! as manuais, existem de três, cinco, oito e outros metros. é abominável esticá-la ao limite, pois há uma probabilidade gigatesca de separá-la da base, tornando difícil o manuseio e armazenamento. um dos fatos que pode definir o fim da utilidade.

minha primeira - cor de camarão, fita em aço, cinco metros - levava meu nome. pediram pra cuidá-la como uma pomba faz com a cria. pelos tombos, periodicamente era calibrada pra validar a qualidade.
entre quedas e desencantos, a força pra carregar entusiasmo.

às vezes a gente atinge a exaustão. é a margem de segurança, depois dos cinco metros, o desconfortável lado miserável. ninguém quer estar lá: entre o não saber e o querer.
é nesse momento quando se faz valer o seu credo - no fim da linha subsiste uma força.

uma vez, essa mesma trena cortou meus dedos em sua lâmina - de dois gumes - afiada, pra intimidar ou chamar a atenção. somente aceitei, permitindo que deslizasse moderadamente - são coisas que não são obvias, compreende só que está atento aos sinais. são os chacoalhões quando algo deseja te despertar.

onde acende a luz pra que repare o caminho e não chegue ao fim da lâmina antes do tempo? 

não se sabe quantos metros de caminho tem a vida. cuide pra não atingir a exaustão inúmeras vezes.
entre quedas e desencantos, deve haver força pra perdurar o tesão de continuar se flexionando, indo e vindo, envergando ao oposto sem fragmentar.

"estica que dá!", não! o universo está conectado ao seu compasso.

msc - movimento dos sem coração

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017 Nenhum comentário
"chegou depressa com a mala cheia e tralha vazia. cabisbaixo, murmurando mais baixo ainda como se tivesse descontente por ter lançado a rede em águas inférteis.
lavou os pés, pisou em terra alheia e foi se ajeitando pra um descanso. nem pediu licença."

eu, fujona, fujo de quem chega entrando sem permissão. (qual será a intenção?)

"nesse dia fiquei. resistindo e cheia de medo. noutro, fiz saber de onde vinha.
disse que foi expulso dum outro coração por justa causa e não tinha onde ficar. fez foi perder a confiança dos que tinha."

no meu peito sempre cabe mais um - que mostra o real interesse desde o início.
houve um tempo que não. não cabia independente de onde, como e porque vinha até mim. depois de quando fui esse pescador frustrado - por inúmeras vezes, ainda sou - entendi o que é a empatia.

eu me apaixono por quem conquista e compartilha confiança comigo. muito mais, pelos que não pedem confidencialidade por acreditarem que eu não seria desagradável a tal ponto.
isso! a palavra que me define: inconveniente. tô superando o impulso que me impede de ser prudente pra saber quando não é momento pra mim.

não quero ser o tempo todo, esse pescador insensato, que invade onde não foi convidado. 
à quem violei a privacidade, ofereço sincero perdão. gratidão, por não me receber com pedras em mãos.

e adivinha? você é a pura empatia.
coração e sua funções socioemocionais.

Como limpar a parte branca do tênis, sem muito esforço?

quinta-feira, 27 de julho de 2017 2 comentários
Hoje, um tutorial acessível e maroto para aquele teu tênis parceiro voltar a ser branco. Encontrei a receita na internet e adaptei. 

antes

Precisarás de:

  1.  02 colheres de sopa de bicarbonato de sódio 
  2. 0,1 litros de de vinagre branco
  3. 04 litros de água (aproximadamente)




Adicione o bicarbonato ao vinagre e espere concluir a efervescência. Feito, coloque a mistura na água e mergulhe o calçado.



Deixe agir por 24 horas, retire da água e esfregue com uma escova.
depois


 A parte preta deste que usei, é confeccionada em verniz. Se o seu for composto de tecido (algodão e afins), apenas esfregue a mistura, sem a água, na parte que desejas limpar e enxague.

E aí? Ficou limpinho, não?
 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018