agora também tô no medium!

Acreditar e confiar...

terça-feira, 24 de julho de 2018
De esperança enrijeceu o que era maleável. O que antes era carne, se fez rocha.
Talvez um cão lamba na esquina, um menino infeliz chute depois de perder a partida, o varredor colha para dentro da sacola - mas, quem bate contra, corre o risco da dor, vassoura velha tem cerdas distantes...
Talvez nada disso aconteça, até que algo aconteça.
Quem vê o lado de fora, sentencia a morte, mas o lado de dentro ainda respira.
_
Quem é que escolhe esperar, se o desejo-necessidade é para imediato?
A fé enfraquece, mas não morre. O coração desacelera mas ainda dilacera. A mente cansa, mas está ardente. 
Peso morto, aparentemente; a vida do corpo, latente. Mas a alma, fértil.
_
O culpado é quem deve reparar a desgraça. Não o Cristo. Descobri só.
Mas consentimos em sermos amigos. Amigos-amantes.
Amigo não exige nosso silêncio. Ouve e advoga, pelo poder e compaixão que tem e nós não temos.
Só precisamos acreditar no que pedimos.
_
Se somos dignos? Suficientemente merecedores. Suficientemente merecedores.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018