A sublimidade contra a espetacularização

terça-feira, 3 de julho de 2018
"Aonde quer que você vá, /O que quer que você faça, /Estarei bem aqui esperando por você"

O uso da letra citada é um exemplo de como age o racismo sobre o corpo negro (composição de Richard Marx, que relata uma declaração de amor romântico, que não vem ao caso).

Com as bolhas que não param de explodir, é impossível silenciar o debate quanto a objetificação da mulher. Portanto, ainda é necessário fazer um outro recorte e esclarecer sobre quais mulheres estamos falando.

Como bem dito por Djamila Ribeiro, as mulheres - brancas e negras -, só compartilham da mesma luta, contra o sexismo (machismo e misoginia). Mulheres não brancas, ainda precisam lutar contra o racismo, porque ainda que oprimidas, as mulheres brancas fazem parte da parte que sempre esteve em ascensão social.

Recentemente, o cantor Mc Lan, disse num vídeo no youtube que "tem fetiche por negras", referindo-se a cantora Ludmilla. Fetiche - resumidamente - é um objeto ou parte do corpo que promove excitação sexual - conotação qual aparentemente foi intencionada do cantor. Não é surpreendente, dito por um homem que conscientemente disse que "se ficasse com homens", seu crush seria o Johnny Depp "por se parecerem nas loucuras", este que foi denunciado por violência pela ex cônjuge (Johnny, foi dos meus favoritos no passado - ironicamente, fora do campo artístico).

Quanto respeito merece um corpo feminino?
Mas este é só mais um fato.

O corpo negro, sempre foi transformado em espetáculo. Homem também sofre objetificação, com apelidos e adjetivos que conhecemos.

Aos homens e às mulheres, sempre precede alguma definição. Enquanto o corpo branco [rosado], sempre foi sublime dos pés à cabeça.

Não somos descartáveis.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.