Lembrem-se, não só de mim

domingo, 1 de abril de 2018
2.

Mas não, só de mim.
Lembrem-se
Do silêncio dos inocentes,
Dos afogados sem ter quem os lamente.
Lembrem-se, também
Dos nadantes que alcançaram terra firme.
Que hajam dádivas para que não se lembrem de mim com desgraça.
Lembrem-se, sim, de todas minhas blasfêmias e descrenças,
mas, também, das minhas remissões
e retomada de posse da consciência.
Lembrem-se da minha vitória,
tardia, mas não menos valiosa.


Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018