O mundo termina todas as noites

segunda-feira, 5 de março de 2018
1.

Em meu leito,
um corpo frio e imóvel,
que outrora estivera sob meu domínio

Dentes contra dentes,
Ranger de pulmões

Ao anoitecer, meu canto é involuntário,
protagonizam os ruídos que disputam soberania em minhas terras desocupadas.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018