Como deve ser

domingo, 11 de fevereiro de 2018
Não sou de lamber os lábios
e de mim não se extraí néctar
Minha dança é desencanto,
destoa e desecontra o compasso
Minhas pétalas se murcham ao menor toque de ponta de dedo

Tu, como deverias
desde outros carnavais
Tão livre quanto o choro derramado,
mais alto que o canto em conjunto
e desalinhado como a queda dos confetes.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018