sistema operacional

segunda-feira, 6 de novembro de 2017
de todas as vezes que sobre minhas costelas, da lama poupei seus pés, nem ao menos - ainda que com desprezo - expressou gratidão.

sob o sol, couro esticado, desfibrando cada centímetro quadrado.

vida de gado!

da lama lavo os pés e tiro fora meu corpo minado.

imprestável, murmurarei pelo resto dos dias. pseudo liberdade tardia.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018