olhos rasos d'água

segunda-feira, 27 de novembro de 2017
pobre rapaz
que mora logo ao fundo
os olhos rasos d'água afogam o olhar profundo
treme de medo
desepero
teme
treme
tanto
que temo o tremor
das paredes que disputam com o coração
quem descostura a trama primeiro
rico em saudade
sobra vontade
rico rapaz
que de si não tem mais nada
que falta faz
o afago da amada

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018