Eu, vitimismo: Capítulo 3 - Enésimas ressuscitações

quarta-feira, 28 de junho de 2017
(ph: Tainan Silva)


De vez em quando sonho que sou caucasoide, kit padrãozinho de beleza aceito pela sociedade.

Acordo assustada e mais uma vez atrasada para o trabalho. Lembro que preciso estar preparada para o que vier durante o dia. Devo ser forte. Dizem que mulheres pretas são fortes.

Calculo meus passos, por um deles que sair torto, serei punida. Sou tão bem recebida nas casas de vendas que ganho um individuo segurança para me acompanhar pelos corredores.

Direciono meu olhar somente ao necessário. Não são todos que gostam de recebê-lo.

Pelas ruas, os objetos que recebem meus toques táteis, são apenas as barras de apoio e o cartão do transporte coletivo.

Faço quase tudo como é pedido. Não é mais que meu dever, não incomodar. A cautela é tamanha, jamais recíproca. Eles não se importam.

Deito assustada e mais uma vez, insone. Todo dia morro e depois volto a sobreviver. Enésimas ressuscitações. Vidas que me permitirão continuar vencendo os males e o cansaço.

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
INÍCIO | PRA TI SOU ELI | CUBO URBANO? | EU, VITIMISMO | ARQUITETURA | POESIAS | CONTATO


Desenvolvido por Michelly Melo
Ilustração por Gabriela Sakata
CUBO URBANO 2014 - 2018