Machismo nas "melhores" convivências

(rainha, no teu reino, reina tu. / via)

Como se pode perceber, o adjetivo "melhores" está entre aspas. Neste contexto, significa que o objeto está sendo herege, professa o que não pratica. 

Em lugares como templos de adoração e instituições de ensino (e outros...) a falta de respeito e reconhecimento com mulheres tem feito forte presença. Não generalizarei e falo-vos pelos acontecimentos que venho percebendo nos ambientes que frequento sempre.

Eu, e penso que você também, não vamos à igreja (seja qual templo for) para ouvir discurso machista de homem também pecador, de matéria feito a nossa, impondo regras segundo sua visão de santidade... O intuito é outro. 
Não vamos à curso algum (onde a diversidade deveria ser respeitada) para ouvir discurso (de ódio) machista de homem que pensa estar degrau acima das mulheres (por ter inúmeros mestrados) e por ser o patriarca e provedor da casa (dele).
Anos e anos de luta por equidade e ainda não obtivemos total vitória, e justamente por isto devemos seguir junt@s, repreendendo, ouvindo e debatendo, não só este mas toda e qualquer ideologia de ódio.

Os julgados "melhores" centros de convivências, estão alimentando almas e conhecimentos (...) juntamente com aquilo que não é bom, a essência está escorrendo por entre os dedos.

Atente-se para que não te sirvam joio como trigo. Não permita que o teu desenvolvimento material e/ou imaterial seja 'conduzido' por pés de caminhos tortuosos.


Caridade é salvação!

(foto ilustrativa - via)

Pós trocas de algumas palavras com pessoas que acreditam que "objetos de brechó, vêm com espíritos maus", fui até um amigo para compartilharmos pensamentos, e, chegamos a um desfecho.

O Deus que tenho a honra de abrigar, com toda sua benevolência, jamais permitiria que fruto algum, da caridade, chegasse aos teus com 'corpos estrangeiros indesejáveis'. Acredito que o teu, também não.

Se alguma vez você já doou algo que não te cabia mais, foi graças a caridade e ao teu Deus. Sendo assim, da mesma forma que doa, porque não receberia? Seria você, superior aos que consomem deste departamento? Hipocrisia, não?
O universo está em constante vibração. Tudo vai e vem, hoje com você, amanhã com o outro, é natural.

Dos giros de capitais, este é um dos mais bonitos: consumo consciente, progressivo e majoritariamente includente. A caridade está presente em quem desapega e em quem adquire. Não é uma das dádivas mais bonitas? Então não há o que temer, as hostes maléficas não te atingirão!

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.
Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.
A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante.
Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.
Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.
Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade - as três. Porém, a maior delas é a caridade."
(Coríntios I 13:1,2,4,5-7 e 13)

"Poesia é ato de revolução!"

Poesia é um gênero literário caracterizado pela composição em versos estruturados de forma harmoniosa. É uma manifestação de beleza e estética retratada pelo poeta em forma de palavras. (via)
Ainda não encontrei texto algum, que fosse fiel quanto ao conceito de poesia em sua plenitude. Sempre faltará algo, mas, um é complementar ao outro, sendo assim, conclui-se que as definições são infinitas e singulares aos indivíduos.

Na Estética filosófica, (genericamente) Arte é tudo o que proporciona emoções e sentimentos ao homem: percepção, sensibilidade, sensação, reflexão... 
Nem todo belo é bonito; nem todo bonito é belo. Um exemplo do feio que é belo: Uma gravura ou picho expressivamente agressivo, trágico, grosso, perturbador, obscuro mas que passa uma mensagem de resistência, luta, emancipação... Um exemplo do belo que é feio: Uma representação artística, agradável, com traços leves e sensíveis, em tons pastéis mas que representa a vulnerabilidade social que oprime a grande massa.
Na poética, existem os que discorrem sobre os problemas sociais estruturais ou atuais, com palavras bonitas, quando na real a mensagem denunciada é gatilho para se pensar.

Sendo assim, identifico a poesia como Arte da Estética (apenas uma das inúmeras classificações), pois é capaz de despertar múltiplos sentimentos, podendo ser bela ou feia (segundo a explicação grotesca anterior), sensações boas ou ruins.

Alguns gritam aos poderes pelas ruas, cantam com tambores, gravam nos muros, fazem preces em silêncio... Outros, expiram poesia. Outros ainda, são excessivamente bons e sua essência é composta por um poucochinho de cada expressão.

Em tempos de ódio, poesia é ato de revolução!
É arma contra a opressão do não amor,
É punho em combate contra a dor...
É sonho!
(Caique Vilela)

Como proceder em casos de ameaça ou violência contra a mulher?

(foto ilustrativa - via)

A mulher vítima de violência ou qualquer tipo de agressão deve denunciar o agressor. Para isso, ela pode se dirigir a uma das unidades da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM) ou ligar para a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência - Ligue 180, um serviço de utilidade pública, confidencial e tem amparo na Lei Maria da Penha. As ligações podem ser feitas gratuitamente de qualquer parte do território nacional.

O serviço é oferecido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, desde 2005. O Ligue 180, que funciona como disque-denúncia, tem como finalidade receber denúncias de violência e orientar as mulheres sobre seus direitos e a legislação vigente, encaminhando-as para os serviços adequado, quando necessário.

O primeiro passo que a mulher vítima de violência deve adotar é denunciar o agressor. Em seguida, realizado o registro da ocorrência, deverá a autoridade policial encaminhar o caso, para o juiz irá apurar a situação para iniciar o processo. As denúncias são encaminhadas para o Ministério Público de cada Estado com cópia para a Segurança Pública e tem apoio do Programa Mulher, Viver sem Violência’.

Qualquer pessoa, que não esteja diretamente ligada à agressão, também pode formalizar a denúncia, informando e revelando em detalhes o acontecido, que será encaminhado às autoridades competentes da região do demandante. Os tipos de provas contra o agressor podem ser úteis: fotos, ligações registradas, gravações, e-mails, mensagens do whatsApp com ameaças, além de testemunhas que presenciaram o fato ou situação.

Outra maneira de receber orientação e atendimento nos casos de violência é procurar outros órgãos responsáveis como Defensoria Pública, Ministério Público, Centro de Referência de Assistência Social ou a Vara de Violência Doméstica e Familiar. Em algumas regiões, existe Casa Abrigo, para acolhimento provisório de mulheres e seus filhos que estão em situação de risco.

Além disso, diante da gravidade do caso, a mulher pode ser favorecida com medidas  protetivas, que são utilizadas para separar a vítima do agressor. Na prevenção à  violência e proteção à mulher, a Lei Maria da Penha nº 11.340/2006 prevê as medidas protetivas de urgência, que devem ser solicitadas na delegacia de polícia ou ao próprio  juiz, que tem o prazo de 48 horas para analisar a concessão da proteção requerida. E estabelece que a vítima não pode entregar a intimação ou notificação ao agressor, sendo obrigatória a assistência jurídica à vítima e prever a possibilidade de prisão em flagrante e preventiva.

O Ligue 180 funciona todos os dias da semana, durante 24 horas, inclusive ao finais de semana e feriados, e pode ser acionada de qualquer parte do Brasil e outros 16 países (Argentina, Bélgica, Espanha, EUA (São Francisco), França, Guiana Francesa, Holanda, Inglaterra, Itália, Luxemburgo, Noruega, Paraguai, Portugal, Suíça, Uruguai e Venezuela). As atendentes da central são capacitadas em casos de gênero e políticas governamentais para as mulheres, atuando numa escuta solidária aos relatos, e são orientadas para prestar informações sobre os serviços disponíveis no País para o 
enfrentamento à violência contra a mulher.

A Central também atende as brasileiras que vivem no exterior, especificamente na Espanha, Portugal e Itália. As ligações ao disque-denúncia, sempre gratuitamente. O 180 Internacional permite à brasileira que esteja sofrendo violência no exterior possa ser atendida pela central no Brasil e obtenha orientações sobre seus direitos e auxílio oferecido pelos consulados brasileiros e serviços providos por esses países para um atendimento adequado. 

Mulheres em situação de violência na Espanha devem ligar para 900 990 055, fazer a opção 1 e, em seguida, informar à atendente (em português) o número 61-3799.0180. Em Portugal, devem ligar para 800 800 550, também fazer a opção 1 e informar o número 61-3799.0180. E, na Itália, as brasileiras podem ligar para o 800 172 211, fazer a opção 1 e, depois, informar o número 61-3799.0180. 

É importante que as vítimas ao enfrentar qualquer tipo de ameaça ou violência denunciem os seus agressores para obterem proteção jurídica e saber que estão amparadas pelas leis. Ao adquirir orientações sobre seus direitos, obter informações e locais onde podem ser atendidas, as mulheres terão uma oportunidade autêntica de romperem o ciclo de violência que são submetidas. Uma ligação pode ser o diferencial na vida de uma mulher. Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher “Sua vida recomeça quando a violência termina”.

Unidades de Atendimento à Mulher:
Central de Atendimento à Mulher : Disque 180
Central de Atendimento à Crianças e Adolescentes: Disque 100
Saúde da Mulher: Disque 0800 61 1997

Zaira Castro
Advogada